Centro de Estudos Sociais
sala de imprensa do CES
RSS Canal CES
twitter CES
facebook CES
youtube CES
24-04-2021        Jornal de Notícias

As pessoas, de todas as gerações, vivem um dia a dia carregado de apreensões e medos que geram nos seus comportamentos amolecimento e acomodações. Estamos encurralados entre os perigos reais provocados pela pandemia, o alarmismo causado por notícias especulativas e até empolamento de riscos, e uma catadupa de informação cheia de contradições (com ou sem justificação) produzida por governo, Presidente da República, alguns políticos e especialistas.

Perante esta encruzilhada, evoquemos o 25 de Abril e a dinâmica transformadora que gerou, para nos interrogarmos. Como salvaguardar a Democracia e os direitos e deveres individuais e coletivos consagrados na Constituição da República? As sucessivas renovações do Estado de Emergência têm considerado os problemas concretos que as pessoas estão a viver, ou têm-se estreitado no objetivo de “equilibrar economia e saúde”, considerando esta apenas em algumas das suas expressões? Vamos deixar que as emergências e exceções se consolidem como futura normalidade?

Centenas de milhares de crianças e jovens estão há mais de um ano impedidos de fazer desporto e atividades culturais e os clubes e associações que os acolhiam vão deparar-se com enormes dificuldades para retomar vida normal. A desabituação poderá levar parte desses jovens a não voltarem às atividades. Por outro lado, o confinamento induziu-lhes receios sobre práticas de socialização que os vão marcar. Isto é um drama face à importância do desporto, da atividade física e das relações sociais na preparação de uma sociedade saudável. 

Os trabalhadores e trabalhadoras que estão em caixas de supermercado, em atividades ligadas a abastecimentos indispensáveis, em serviços de limpeza e de segurança ou nas fábricas sem puderem parar de trabalhar, nunca foram considerados como potencial grupo prioritário no processo de vacinação. Isto merece reflexão e não é bom para a necessária valorização do trabalho.

Antes da pandemia, Lisboa era apresentada como um destino turístico de referência, espaço para endinheirados estrangeiros investirem em imobiliário de luxo e zona de concentração de escritórios de grandes grupos empresariais internacionais. Eram estes os “fatores competitivos” desta cidade (e de outras) invocados para justificarem o custo elevadíssimo da habitação. Agora é evidente que o turismo tardará a ressurgir e não se sabe com que mudanças, as grandes empresas e múltiplos serviços públicos diminuem ou eliminam escritórios no pressuposto da massificação do trabalho remoto que, diz-se, levará muitas pessoas para o interior: mas o preço da habitação e do imobiliário não baixam. Quem explica isto com verdade?

Fruto de uma retoma económica com horizonte continuamente adiado, da economia se estar a afunilar crescentemente em meros negócios e do cutelo das moratórias, todos os dias vemos crescerem as ameaças do desemprego e a desproteção de pessoas. O governo para dar a ilusão de que toma muitas medidas de resposta aos problemas de cada setor da sociedade vai respondendo em micro parcelas de quase nada.

Na crise anterior o povo português foi sujeito a sacrifícios depois de convencido de ter andado a viver acima das suas possibilidades. Agora tudo indica que está em preparação o regresso á mesma receita. Talvez contem com o amolecimento dos cidadãos provocado pela sujeição às exceções.


 
 
pessoas
Manuel Carvalho da Silva



 
temas
cidadania    pandemia    sociedade    economia