Centro de Estudos Sociais
sala de imprensa do CES
RSS Canal CES
twitter CES
facebook CES
youtube CES
16-09-2012        Público

De norte a sul do país, e ilhas, o sobressalto democrático que há muito se justifi cava fez-se ouvir em cerca de 40
cidades, num clamor de indignação contra a austeridade, a obstinação ideológica e as trapalhadas do Governo PSD/
CDS. As manifestações de ontem tiveram uma adesão quase generalizada dos portugueses a mostrar um “cartão amarelo” à política de austeridade, ao Governo e à troika.

O caudal de descontentamentopopular, a lembrar os tempos do 25 de Abril, não deixou de ser uma resposta muito veemente a quem ainda há poucas semanas, se vangloriava da eterna “paciência” do povo português. Uma resposta que, aliás, conseguiu juntar numa mesma corrente pessoas com filiações ideológicas habitualmente rivais: desde
eleitores do PSD e do CDS, aos comunistas e sectores da esquerda radical, passando pelos socialistas e sociais-democratas e incluindo largos milhares de cidadãos que simplesmente quiseram protestar porque se sentem espoliados e ofendidos. Sindicatos e patrões, jovens e idosos, funcionários públicos e trabalhadores precários, desempregados, estudantes e pensionistas juntaram a sua voz num clima grande heterogeneidade, de irreverência democrática e num exercício de cidadania activa.

Colheres de pau e caçarolas, frases mais ou menos imaginativas, nas cerca de 40 manifestações soaram bem alto os gritos de revolta. Mostraram um Portugal acordado, que desperta do sono indolente que lhe tem sido induzido ao longo de décadas pelos lenitivos ideológicos do neoliberalismo. “Assim não pode ser, a gente a trabalhar e a banca a lucrar!”, “saiam do poleiro, devolvam o dinheiro!”, “só com participação haverá solução!”, “lutemos pela vida!”. A paciência esgotou-se e os portugueses revelaram uma maturidade democrática que muitos têm menosprezado, afirmando a sua capacidade de ser livres e
desmontando a insensibilidade social de quem detém o poder.

Se “a rua”, por si só, não resolve, ela também não é apenas uma catarse para permitir que tudo continue na mesma. E mal estarão os políticos e governantes que não percebam isso. Depois da passada “sexta-feira negra”, em que o primeiro-ministro anunciou as novas medidas e desencadeou este sobressalto, o dia de ontem — o M15S, Manifestações de 15 de Setembro — pode fi  car na história como o dia em que o Governo e o país “trocaram o passo” (incluindo com o eleitorado do centro e da direita que há um ano e pouco acreditou em Pedro Passos
Coelho). Como isso aconteceu por via da troika, bem se pode falar de “Passos troikados”.


 
 
pessoas
Elísio Estanque



 
temas
neoliberalismo    austeridade    troika