Centro de Estudos Sociais
sala de imprensa do CES
RSS Canal CES
twitter CES
facebook CES
youtube CES
13-04-2020        Público

Estamos condenados a viver no presente. Não há escapatória. Alguns estão melhor preparados que outros para enfrentar a crise do coronavírus. Para uma minoria, ela pode significar uma longa temporada sabática, com o luxo do ócio destinado à reflexão e ao fortalecimento de laços familiares; mas para milhões dos desprivilegiados do Sul Global, a actual crise significa uma lenta morte. O coronavírus coloca em risco pessoas cujas condições de vida já eram terríveis, sem acesso a saneamento básico e higiene – trabalhadores e trabalhadoras emigrantes, informais, explorados na Índia. Vivendo em favelas superpovoadas, de acesso limitado à saúde e sem a possibilidade prática de realizar medidas de distanciamento físico e social, esses grupos são extremamente vulneráveis ao vírus. Com este pano de fundo, o que vemos hoje na Índia é o primeiro-ministro, Narendra Modi, zombar e fazer descaso dos direitos e vidas de milhões de pessoas pobres.

No dia 24 de Março, o Governo ordenou como medida preventiva contra a pandemia uma quarentena nacional de 21 dias, limitando o movimento à totalidade das 1,3 mil milhões de pessoas que compõe a população da Índia. Sem nenhum plano adequado, sem o acompanhamento de medidas de auxílio. A quarentena, implementada subitamente, afectou desproporcionalmente a classe trabalhadora pobre indiana, especialmente os milhares de trabalhadores e trabalhadoras migrantes e informais, que se encontraram então sem trabalho, sem recursos e longe de suas famílias e lares.

Ranveer Singh trabalhava como entregador para um restaurante na capital indiana de Nova Deli quando o Governo deu a todos o aviso de que, em quatro horas, a quarentena nacional passaria a ser policialmente reforçada. Singh, sem outras opções, voltou à sua casa num vilarejo no distrito de Morena, localizado a quase 320 quilómetros de onde se encontrava. Com as linhas de transporte fechadas, decidiu-se por ir a pé. O homem, com 39 anos e pai de três, conseguiu chegar até Agra, a cerca de 200 quilómetros a sul da capital, onde colapsou e morreu de um ataque cardíaco causado pela exaustão.

Singh é apenas uma das dezenas de pessoas que pereceram a meio das longas jornadas de volta a casa depois da imposição súbita da quarentena, que não permitiu que ninguém se preparasse. Milhões de trabalhadores e trabalhadoras migrantes na Índia foram deixados sem comida ou abrigo quando Modi fez seu decreto. Nos arredores da cidade de Hyderabad, sete trabalhadores migrantes e um bebé com apenas 18 meses foram mortos num acidente rodoviário. Um grupo de quatro trabalhadores migrantes que partiam da cidade de Vasai em direcção ao vilarejo de Rajasthan morreram atropelados por um camião depois de terem sido forçados a retornar a Vasai por ordem policial.

Deve-se notar que quase 90% da força de trabalho na Índia está na informalidade, sem acesso a férias pagas, segurança social ou saúde. A maioria dos 470 milhões de trabalhadores e trabalhadoras precárias do país vivem em cortiços; para eles, o distanciamento social é impossível. Na Índia, além disso, onde divisões por casta e religião são ainda efectivas e profundas, os Dalit (a mais baixa casta no sistema de castas indiano) e as comunidades muçulmanas são os grupos mais oprimidos, tratados muitas vezes com incrível violência e discriminação. De modo a garantir o cumprimento da quarentena, a polícia foi autorizada a actos de extrema violência, usando um misto de humilhação e força para disciplinar quem se encontrava fora de suas casas, até mesmo contra indivíduos que iam a caminho do trabalho em áreas essenciais, ou à farmácia e ao supermercado.

Além disso, essa quarentena mal planeada afectou gravemente a resposta possível do sistema de saúde indiano; trabalhadores e trabalhadoras da área ficaram impossibilitados de ir ao trabalho, a ausência de linhas de transporte impossibilitou a distribuição de testes e outros equipamentos para os hospitais. Nos últimos dias, diversas notícias e testemunhos dos trabalhadores e trabalhadoras da saúde descreviam com sombrios detalhes a ausência de qualquer preparação para o enfrentamento da mais grave crise dos nossos tempos. As equipas médicas estão a arriscar a própria vida ao tratar doentes infectados sem ter equipamentos adequados de protecção. A resposta incompetente do Governo de Modi complicou já difíceis problemas, aprofundando-os.

No dia 5 de Abril, a polícia de Ludhiana registou uma queixa contra um homem, acusando-o de sedição depois de este, alegadamente, ter publicado nas suas redes sociais que “não havia ventiladores em Ludhiana para o tratamento dos doentes”. No distrito de Banda, no Estado de Utter Pradesh, equipas de saúde foram ameaçadas quando reclamaram da escassez de material médico. Os seus salários foram reduzidos à metade e o Governo ameaçou-os de demissão.

Os gastos públicos com saúde representam, na Índia, apenas 1% do PIB, estando muito abaixo da média mundial. A infra-estrutura de saúde pública está em ruínas. O sector de saúde privado é quase completamente “auto-regulado” e, por isso, inacessível à vasta maioria da população. Enquanto a maioria dos indianos ricos e de classe média conseguirão subsistir às três semanas de quarentena, os pobres do país e o enorme número de trabalhadores e trabalhadoras migrantes, transientes, terão dificuldades em sobreviver.

De acordo com Ramanan Laxminarayan, vice-presidente do Research and Policies no PHFI (Public Health Foundation of India), entre 300 a 500 milhões de indianos podem ser infectados até o fim de Julho. Isto é preocupando. Até 10 de Abril, o número de infectados e infectadas era de 7598, e a subir. Agora, a mais importante questão é: como conseguirão estas pessoas trabalho após o fim da quarentena? Não podemos esquecer-nos que é provável que haja uma extensão da quarentena.

68,8% da população indiana vive com menos de $2 por dia. Mais de 30% vive com ainda menos, cerca $1,25 diários. A maioria destas pessoas são diaristas – ou seja, recebem por dia. Como sobreviverão ao mundo nesta pandemia? Um trabalhador disse, e com toda a razão: a fome nos matará antes do coronavírus.


 
 
pessoas



 
ligações
Doutoramento > Human Rights in Contemporary Societies
 
temas
pobreza    COVID-19    Índia    Ásia    narendra modi