Centro de Estudos Sociais
sala de imprensa do CES
RSS Canal CES
twitter CES
facebook CES
youtube CES
14-09-2019        Jornal de Notícias

Andou muito bem a Assembleia da República (AR) ao aprovar, no passado dia 11, o voto de condenação “Da criação de um «museu» dedicado a Salazar em Santa Comba Dão”, apresentado pelo Partido Comunista Português. Há que desmontar os clamores contra a esquerda “proibicionista” e denunciar as tentativas de “normalização” pretensamente neutra, na avaliação da sociedade sobre as figuras da nossa história. É criminoso colocar no mesmo plano quem espezinhou a democracia, as liberdades e valores do progresso e quem, com enorme sacrifício, por vezes da própria vida, os defendeu.

A aprovação deste voto de condenação não matará o assunto, mas é muito importante a legitimação política e institucional dada à crítica que foi sendo feita a este processo nos últimos meses. Ela prestigia a AR e obriga a um aprofundamento de argumentos para anular a iniciativa, que pode regressar com o argumento de que nunca esteve em causa qualquer museu laudatório de Salazar, mas sim um Centro Interpretativo do Estado Novo.

É necessário que os portugueses sacudam “passividades bucólicas” (expressão de Pedro Adão e Silva), que muitas vezes nos têm marcado negativamente, e situem melhor o lugar e o valor da memória. José Saramago dizia que “somos a memória que temos e a responsabilidade que assumimos”. Tratemos então da memória, tarefa primeira dos historiadores, mas também obrigação de pessoas de muitas outras áreas do saber. E não nos distanciemos do que sabem, sentem ou sentiram os “simples cidadãos”, porque a responsabilidade é de todos.

A iniciativa posta em andamento é objetivamente local, mesmo que a sua amplitude seja intermunicipal, dada a natureza da entidade que coordena a rede de estudo e a afirmação de Figuras Históricas. O suporte científico do CEIS20 propiciou o envolvimento de historiadores insuspeitos. Mas estes, na minha modesta opinião, encasularam-se e deixaram-se enredar num processo profundamente contraditório e escorregadio. Luís Reis Torgal afirmou que esta equipa “jamais seria capaz de criar um museu hagiológico sobre Salazar”. Mas não bastam as intenções e até empenhos de partida.

Não é de todo viável criar ali um verdadeiro Centro Interpretativo do Estado Novo. Que tipo de “espólio” podia ser levado para Santa Comba? E seria observado numa mescla em que entraria a utilização turística da figura de Salazar?

Aquele é o espaço que, por natureza, tenderá sempre a colocar em relevo os traços e comportamentos menos tenebrosos ou mais simpáticos do ser humano Salazar – todo o ser humano os tem. Ora, esses são os mais distanciados do pensamento, da vida e, acima de tudo, dos atos políticos do ditador e fascista Salazar, que impôs um regime fortemente repressivo e autocrático e colocou o país desfasado na história – veja-se os indicadores de desenvolvimento que o país tinha. Salazar, conscientemente, espezinhou as liberdades e direitos humanos, provocou violento sofrimento aos portugueses e cometeu imensas atrocidades sobre os angolanos, os moçambicanos, os guineenses, os cabo-verdianos, os são-tomenses, os timorenses e os goeses.

Na democracia que se fez duramente contra Salazar não há lugar, nem para reabilitações, nem para avaliações pretensamente neutras da sinistra figura.   


 
 
pessoas
Manuel Carvalho da Silva



 
temas
santa comba dão    salazar    Estado Novo    museu