Centro de Estudos Sociais
sala de imprensa do CES
RSS Canal CES
twitter CES
facebook CES
youtube CES
12-07-2014        Jornal de Notícias

Reforço uma ideia que já expressei nesta coluna: a sociedade portuguesa está a viver tempos de excesso de serenidades e de silêncios. Como diz o poeta, "silêncio é tudo o que tem quem vive na servidão". A persistência na ideia de que é indispensável mantermo-nos quietos e submissos, porque se assim não for os nossos credores e os mercados se irritam e seremos penalizados, é um convite à destruição do nosso futuro, individual e coletivo, numa perspetiva de vida democrática e de concretização de anseios de progresso.

Se o povo português e as suas organizações se mantiverem tolhidos nos seus medos, nada se resolverá. Como provam os efeitos que se vão observando na situação do BES, os podres adquiridos ou em gestação podem estilhaçar os avanços que se conquistaram com a democracia.

A insistente propaganda do Governo e do presidente da República (PR), de que valeram a pena os sacrifícios, de que iniciamos um caminho de recuperação que nos há de permitir "desenvolvimento sustentado", são puras mentiras. Pensar que nos podemos safar por entre os pingos da chuva é uma perigosa ilusão que pode sair muito cara.

Há poucas semanas alguém sonhava que o "The Guardian" viesse a titular - como fez na quinta-feira, dia em que a CMVM suspendeu as ações do BES - "Dow Jones cai 1% na abertura da sessão face ao medo provocado pela situação da banca portuguesa que atingiu Wall Street"? Ou que a capa do "Financial Times" (10 de Julho, versão eletrónica) tivesse como conteúdo: "Medo à volta dos bancos portugueses desencadeia uma onda de vendas na bolsa europeia"?

A passividade nada resolve. Os problemas que nos conduziram ao empobrecimento e a um fortíssimo recuo nas condições do nosso desenvolvimento não estão resolvidos. Os governantes de serviço dizem-nos que o mau tempo já passou, exatamente quando o temporal está a chegar e não foram nem estão a ser trabalhadas medidas de precaução. Portugal está de novo no olho do furacão e essa situação não resulta de qualquer motim ou reivindicação excessiva. A luta e a resistência não são o perigo. O perigo é a podridão que foi fermentando e contamina a economia, a situação social e cultural dos portugueses, o sistema político, a democracia.

O que tem sido feito ao dinheiro que sacaram ao comum dos portugueses com as políticas de austeridade? O que se preparam para fazer?

A corrupção, o compadrio, o encobrimento de negócios duvidosos e de troca de favores gerou grande parte da "crise": em nome desta os portugueses foram sacrificados, mas aquelas práticas prosseguiram.

Se não formos capazes de, coletivamente, assumir em consciência que a dívida não é sustentável e que a política da dívida seguida é inviável, não encontraremos saída. Os cidadãos nem sonham com a panóplia de armadilhas escondidas em elementos e instrumentos do sistema que nos tem dominado, como é o caso do BES.

São cada vez mais as vozes que se ouvem a recomendar mudança de políticas e as que pedem a discussão das dívidas. Até o alemão apoiante da Sra. Merkel, Hans-Werner Sinn vai reclamando uma conferência sobre a dívida. Em Portugal, o primeiro-ministro e o PR continuam, de forma ardilosa, a tentar convencer o povo de que os que defendem a reestruturação/renegociação da dívida são irresponsáveis.

A reestruturação da dívida, objetivo que impõe um ato trabalhoso e difícil de renegociação, devia ter sido encetada logo em 2011, continua hoje imprescindível, e quanto mais se adiar maiores serão as nossas dificuldades.

Portugal necessita de propostas concretas, com metas, instrumentos e técnicas a aplicar, que permitam ao país ter posição própria que salvaguarde os seus interesses e possa ser apresentada de forma autónoma e/ou no contexto de um processo europeu.

Informe-se os portugueses com verdade e acabe-se com amedrontamentos enganosos. Sempre que se fala de passos a dar para que a riqueza, que se movimenta no país ou a partir dele, seja convocada para ajudar a resolver os problemas é recorrente o alerta: "cuidado com a fuga de capitais". Mas não se diz ao povo que os buracos do BES e muitos outros, em 2007/2008 ou em momentos posteriores, fizeram e farão desaparecer milhares e milhares de milhões euros.


 
 
pessoas
Manuel Carvalho da Silva



 
temas
renegociação da dívida    bancos    BES    CMVM