Centro de Estudos Sociais
sala de imprensa do CES
RSS Canal CES
twitter CES
facebook CES
youtube CES
14-08-2015        Jornal de Negócios    [ pp. 12-17 ]

Os rapazes que foram à guerra envelheceram. Começaram a olhar para trás, a fazer balanços, a querer deixar o seu testemunho. Depois de décadas de silêncio, em que foi assunto tabu, a Guerra Colonial saltou para fora do baú. Nas livrarias e na internet não faltam memórias de ex-combatentes. Já não querem ser vistos como os que “fizeram” a “guerra dos colonialistas”, mas como aqueles a quem lhes calhou aquele pedaço de História. Foram 13 anos de guerra em África e muitos mais nas casas de famílias portuguesas.

A Guerra Colonial não ficou resolvida em1974 nem em 1975, quando as últimas ex-colónias portuguesas se tornaram independentes. Mas de que falamos quando falamos da Guerra Colonial? E de que maneira estas memórias continuam a afectar os portugueses, não só os que viveram a experiência de guerra, mas aqueles que as ouvem contar? Ouvimos especialistas que lidam todos os dias com as lutas contínuas de quem esteve na guerra. E ouvimos histórias de pessoas que foram à guerra e suas memórias de perda, sobrevivência, recomeço, fazem parte de quem são. Texto: Susana Moreira Marques

Documentos
   LER ARTIGO   

 
 
pessoas
Luisa Sales
Margarida Calafate Ribeiro



 
ligações
Projeto > MEMOIRS
Núcleo de Estudos sobre Humanidades, Migrações e Estudos para a Paz
 
temas
traumas    memórias    Guerra Colonial