Centro de Estudos Sociais
sala de imprensa do CES
RSS Canal CES
twitter CES
facebook CES
youtube CES
22-06-2014        Rádio Renascença

Número consta de um relatório do Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra e é avançado Carvalho da Silva no programa Conversas Cruzadas da Renascença | 22-06-2014 16:09 por José Bastos

“Três mil milhões de euros dos rendimentos do trabalho são transferidos, por ano, para os rendimentos do capital”. É uma das conclusões de um estudo do Centro de Estudos Sociais (CES) ampliadas por Carvalho da Silva no programa Conversas Cruzadas da Renascença.

O relatório do CES da Universidade de Coimbra quantifica a transferência de riqueza dos trabalhadores para as empresas promovida pelas reformas laborais como próxima das pretendidas pela fracassada alteração da taxa social única (TSU).

O estudo não contabiliza os cortes salariais ou aumento de impostos. As alterações à TSU deveriam disponibilizar 2,3 mil milhões de euros, mas foram abandonadas depois das manifestações de Setembro de 2012.

“Em contexto de crise aumentou o excedente de acumulação de capital. Ou seja: aqueles que beneficiam desta transferência aumentaram a sua riqueza. Desde 2009 para cá, por exemplo, os funcionários públicos perderam em média 19% do seu rendimento”, afirma Carvalho da Silva, coordenador do CES da Universidade de Coimbra.

Álvaro Santos Almeida, economista ex-FMI, defende a inevitabilidade da transferência de rendimentos do trabalho para o capital.
“De facto, nos últimos anos houve uma transferência dos rendimentos do trabalho para o capital. Mas tinha de ser assim, porque as empresas portuguesas não eram competitivas em 2009”, sustenta o professor da Universidade do Porto.

“De 1995 – o último ano em que as empresas portuguesas conseguiram vender para o exterior o suficiente para o país pagar o que importou – até 2009 os custos unitários do trabalho aumentaram 49%. Na zona euro aumentaram 22%. Ou seja: relativamente à zona euro as empresas portuguesas só podem retomar a competitividade quando esse aumento adicional for reposto e eliminado.”

“Se insistirmos em ter todos os rendimentos no trabalho e nenhum no capital o que teremos é falências com empresas a fechar. Então aí é que não há rendimento nenhum. Nem do trabalho nem do capital. Se queremos uma economia competitiva, de facto, tem de haver um rebalanceamento entre os rendimentos do trabalho e do capital” sustenta Álvaro Santos Almeida.

Álvaro Almeida: “Portugal caso único no FMI”
Antigo quadro do Fundo Monetário Internacional em Washington, Álvaro Santos Almeida admite condições de mercado e de estratégica política como causa da ausência de encerramento formal do ajustamento, mas critica sobretudo o Tribunal Constitucional (TC).

“Fomos um caso único pela negativa na história dos programas do Fundo Monetário Internacional. Parece que foi a primeira vez de um país cumprir todas as revisões menos a última. Habitualmente ou deixa de cumprir muito mais cedo - e muitas ficam por cumprir - ou cumpre todas. Porque se já cumpriu 11 porque não há-de cumprir a 12ª? Nós não cumprimos a 12ª porque o Tribunal Constitucional não deixou”, acusa Álvaro Santos Almeida
“Se o TC tem esse poder de decidir sobre as políticas orçamentais portuguesas convém, o mais cedo possível, perguntar ao Tribunal o que permite ou não. Para que não haja incertezas, não haja dúvidas sobre o que poderão ser essas políticas”, defende o economista enquadrando o pedido governamental para o Presidente da República accionar fiscalizações preventivas.

Carvalho da Silva, ao contrário, defende os juízes do Palácio Ratton. “As leituras do TC têm em consideração as dimensões económicas, culturais, sociais e políticas e, acima de tudo, têm de ter em conta a vida dos portugueses. É isso que o TC tem de fazer e o Governo tem de governar dentro dos parâmetros da Constituição”, aconselha o sociólogo.

“Se o Governo acha que a Constituição é o seu principal obstáculo diga-o. Anda a dizê-lo de forma encoberta, mas diga-o formalmente. Se o governo acha que o obstáculo é a democracia, ou seja, se para servir os credores e os agiotas - actuando sobre Portugal - temos de abandonar a democracia que isso seja dito aos portugueses para tomarmos opções. Agora o que não se pode é andar nesta chantagem sobre o Tribunal Constitucional” nota Carvalho da Silva.

Carvalho da Silva: “Revolta que o país seja governado por tecnocratas”
“Numa democracia parlamentar o que é democrático é ser o povo, através dos seus representantes, a tomar a opções políticas como, por exemplo, a interpretação do princípio da igualdade. Portanto, deixar a aplicação desse princípio nas mãos de um órgão não-eleito, o TC, é uma violação da democracia”, defende Álvaro Santos Almeida.

“A nossa Constituição não permite até que um órgão eleito como é o Presidente da República vete definitivamente decisões da Assembleia da República. O veto presidencial pode ser ultrapassado por uma decisão da Assembleia da República. Porquê? Porque a Assembleia da República representa o povo e o povo é que tem a última palavra”, nota o ex-presidente da Entidade Reguladora da Saúde.

“Ora, o veto do Tribunal Constitucional, um veto político, não pode ser ultrapassado. Esse facto coloca em causa toda a estrutura democrática do nosso sistema. O nosso sistema não é democrático porque permite a um órgão não democrático ter este papel”, sentencia o economista.
Manuel Carvalho da Silva discorda. “Eu aplaudo todos aqueles que não gostam de ser governados por órgãos não eleitos, mas o Tribunal Constitucional tem uma composição definida pela Constituição envolvendo de uma forma directa a participação dos deputados eleitos pelo povo”, refere o ex-líder da CGTP.

“Mas revolta-me muito mais que o país seja governado por tecnocratas que decidem à margem do poder. Que seja governado por uma Troika que não foi seguramente eleita pelos europeus. Os membros da Troika, esses, não foram mesmo eleitos”, conclui Carvalho da Silva.




 
 
pessoas
Manuel Carvalho da Silva



 
ligações
Observatório sobre Crises e Alternativas
 
temas
crise    TSU    capital    trabalho